Saiba as regras para ir à praia com sua família em Portugal no verão 2020

Praia do Meco, Sesimbra

Com a proximidade do verão no hemisfério norte, o destino de férias preferido por muitas famílias é a praia.

Com cerca de 943 km de litoral e um clima que garante dias ensolarados de julho a setembro, Portugal acaba por ser um destino muito procurado por muitos turistas que procuram um destino de praia para passar as férias. Afinal Portugal é um destino mais barato quando comparado a outros destinos de praia na Europa como as Grécia e Espanha, por exemplo.  Esse ano, com a pandemia COVID-19, um outro fator que pode atrair turistas para as praias portuguesas é o sucesso do país no combate ao COVID 19.

Com o verão a porta, e um plano de desconfinamento em andamento, espera-se que aos poucos o país se abra para o turismo e as praias do país voltem a ser procuradas tanto pelos portugueses como por turistas de países vizinhos.

Se as praias portuguesas estão no radar de suas férias em família neste verão, fique atento às regras e restrições definidas pela Direção Geral da Saúde no manual ““Ir à Praia em segurança” , divulgado na semana passada.  As determinações estabelecidas no manual deverão ser cumpridas por todos que frequentarem as praias de Portugal enquanto durar a pandemia COVID-19.

A época balnear inicia-se oficialmente apenas em 6 de junho, mas com a subida das temperaturas nos últimos dia, muitas praias já estão recebendo visitantes e é importante conhecer as regras a serem seguidas para que minimizar o risco de contágio e garantir a diversão de toda família na praia.

O que é importante saber para ir as praias portuguesas neste verão 2020?

  • As praias serão classificadas de acordo com sua capacidade potencial de ocupação. Haverá sinalização para indicar o seu estado de ocupação (Verde: ocupação baixa /Amarelo: ocupação elevada /Vermelho: ocupação plena);
  • Recomenda-se que antes de se deslocarem até as praias, os banhistas consultem o estado de ocupação das mesmas através da aplicação móvel “Info praia”;

Baixe o aplicativo.

Aplicação de telemóvel (celular) Info Praia
  • As praias que tiverem mais de uma entrada deverão ter uma zona exclusiva para entrada e outra para saída;
  • A distância física de segurança de 1,5 metros deverá ser respeitada por todos que não pertençam a um mesmo grupo no areal;
  • Os chapéus de sol deverão respeitar a distância de 3 metros entre si;
  • Escorregas, chuveiros interiores de corpo ou de pés, e outras estruturas similares serão proibidos;
  • Chuveiros exteriores de corpo ou de pés, espreguiçadeiras, colchões, cinzeiros de praia, deverão ser limpos diariamente, sendo desinfetados em sua montagem e sempre que haja mudança de utente (usuário);
  • Os apoios de praia, bares, restaurantes e esplanadas deverão seguir todas as recomendações definidas pela DGS para o setor de restauração;
  • Vendedores ambulantes deverão usar máscara ou viseira;
  • As atividades esportivas que envolvam duas ou mais pessoas são proibidas. Com exceção para as aulas promovidas por escolas ou instrutores de surf e de esportes similares (limite de 5 participantes por instrutor).

Além das regras específicas sobre as praias deve-se continuar a cumprir as 5 regras de prevenção:

  • distanciamento físico (mínimo 2 metros);
  • limpeza frequente das mãos;
  • etiqueta respiratória;
  • limpeza e higienização dos espaços;
  • utilização de equipamento de proteção (máscara e/ou viseira) nos locais de uso obrigatório.

O Manual completo em pdf está disponível na página da Agencia Portuguesa do Ambiente ou diretamente aqui.

Se tiver alguma dúvida em relação ao manual de praia ou outra questão relacionada a fase de desconfinamento em Portugal deixe uma mensagem nos comentários que responderei assim que possível. Obrigada pela leitura e até o próximo post!

Portugal se prepara para o fim do confinamento devido ao covid-19

English version

Em dois de maio termina o atual estado de emergência em Portugal e o país começa a se preparar para o término do confinamento geral.

Hoje o Governo Português divulgou o Plano de Desconfinamento com um cronograma a fim de que gradativamente a economia e a vida em sociedade possam voltar à normalidade. Embora saibamos que a nova normalidade deverá ainda estar bem distante do que estávamos acostumados antes da pandemia do covid-19 e que será uma nova fase de ajustes e adaptações.

Tais medidas serão reavaliadas conforme a evolução do número de casos de covid-19 ao longo do período de desconfinamento pela Direção Geral de Saúde e da monitorização do impacto que o desconfinamento poderá ter nos números.

Abaixo segue um resumo dos principais marcos desta nova fase já divulgados pelas autoridades, baseados no que foi divulgado até a data de publicação deste post, 30/04/2020.2 de maio –Sábado -Término do Estado de Emergência

4 de maio – Segunda-feira – Reabre o comércio com lojas com até 200 metros quadrados, incluindo livrarias, cabeleireiros e stands de automóveis. O comércio local é privilegiado.

6 de maio – Prevista a conclusão do “Manual de Ida à Praia” pelo governo, onde serão definidas a lotação máxima e as restrições de acesso conforme a dimensão das praias. O manual das praias também deverá prever o uso de máscaras nos bares e restaurantes de apoio.

18 de maio – Creches e escolas abertas para 11.º e 12.º anos. Restaurantes voltam a funcionar, mas tendo que seguir as novas “regras de controlo de entrada”, que incluem a medição da temperatura corporal dos trabalhadores e dos clientes e o limite de capacidade a fim de garantir as normas de distanciamento social entre as pessoas. Museus, monumentos e palácios, galerias de arte, salas de exposições e similares reabrem.

1 de junho – Reabertura do pré-escolar e do comércio em geral, incluindo centros comerciais. Cinemas, teatros, salas de espetáculos, auditórios (com lugares marcados, lotação reduzida e distanciamento físico)

Uso obrigatório de máscaras nos transportes públicos, escolas, comércio e outros locais fechados com múltiplas pessoas

Quanto a reabertura de hotéis, ainda há muita incerteza. Há uma expectativa por parte do setor hoteleiro de que possa ocorrer uma abertura gradual a partir de junho, mas que dependerá da evolução da pandemia, conforme informações disponíveis no site da Associação da Hotelaria de Portugal.

O mais provável é que apenas a partir de julho os hotéis voltem a funcionar. O que já se sabe é que os hotéis vão receber um “selo de garantia” se cumprirem todas as recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS) e pela Organização Mundial do Turismo (OMT).

Tendo em vista todo esse cenário, o fato é que ainda teremos que conviver por um bom tempo com o vírus. A partir de agora, hábitos e procedimentos de higiene e de proteção individual terão que ser incorporados em nossas vidas para que pelo menos a economia possa voltar a funcionar.  Quanto ao turismo em Lisboa e em Portugal, ainda é cedo para termos alguma previsão de quando as coisas voltarão ao normal.

Continuaremos acompanhando as notícias e determinações das autoridades portuguesas e assim que tivermos mais novidades, faço novas atualizações.

Vamos continuar seguindo as orientações das autoridades sanitárias para que em breve possamos voltar a explorar Portugal e Lisboa!

Para acessar o Plano de Desconfinamento completo, acesse a página oficial da República Portuguesa.

https://www.portugal.gov.pt/pt/gc22/comunicacao/documento?i=plano-de-desconfinamento

Fiquem bem e com saúde!

25 de Abril, o Dia da Liberdade em Portugal

English Version

Photo by Dominika Roseclay on Pexels.com

Hoje comemora-se o Dia da Liberdade em Portugal! O feriado nacional marca a revolução do 25 de Abril que pôs fim ao regime ditatorial que imperava no país desde 1933 com a implantação do Estado Novo por Antônio Salazar.

Foram 41 anos sob regime autoritário que impunha sérias restrições de liberdade, censura e ausência de direitos aos portugueses. A insatisfação popular era grande, mas foram os militares que organizados no Movimento das Forças Armadas planejaram um golpe de estado para derrubar o governo.

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, os militares saíram dos quartéis e com o apoio de emissoras de rádio conduziram o golpe. As rádios transmitiriam a senha que daria aos vários quartéis o sinal de que a Revolução estava em curso. As senhas eram duas músicas: E Depois do Adeus, de Paulo de Carvalho e Grândola Vila Morena, de José Afonso.

A revolução também é conhecida por Revolução dos Cravos pois a certa altura, uma senhora que levava flores começou a distribuir cravos aos soldados. Os soldados enfiaram o cravo no cano da espingarda e os civis puseram a flor ao peito. 

O Largo do Carmo foi o grande palco desta revolução pois os militares cercaram o quartel da GNR do Carmo, onde se tinha refugiado Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar à frente da ditadura.

Todos os anos esta data é comemorada com grandes festejos e desfiles pelas ruas de Portugal, mas esse ano devido as restrições em vigor face ao COVID-19, a celebração terá que ser em casa! Viva a Liberdade!

Livros para ler antes de visitar Lisboa

English Version

Quando ler ao ar livre era possível.

Nestes tempos de pandemia global, viajar é um verbo que conjugamos na nossa imaginação. As visitas virtuais aos museus e monumentos históricos disponíveis no Google Arts & Culture e nas páginas oficiais dessas instituições são uma boa forma de aproveitar o tempo livre (se é que sobra algum). Para mim, uma amante da leitura, a melhor forma de viajar sem sair do lugar é mesmo com a ajuda dos livros.

Quantas vezes lemos um livro e ao assistir sua versão em filme ficamos decepcionados? Inúmeras, não é mesmo? Nossa mente é capaz de nos levar para diversos lugares com uma riqueza de detalhes impressionante. Por isso, a leitura é um ótimo hábito para os dias de confinamento. Além de ser uma ótima forma de nos distrair um pouco das notícias, afinal após tantos dias de confinamento em casa, ninguém aguenta mais ouvir falar de COVID-19 24 horas por dia.

Para as pessoas que tiveram sua viagem à Lisboa frustrada por essa pandemia, ou que já planejavam vir para cá em algum momento da vida, convido-os a aproveitarem esse momento para visitarem Lisboa através da leitura. Ler livros, sejam guias de viagem ou romances onde Lisboa é o cenário, é uma ótima forma de se preparar para sua futura viagem. Sim, porque em breve isso tudo vai passar e você poderá realizar o seu sonho e passear por essa cidade linda.

Enquanto isso selecionei quatro romances de escritores portugueses que se passam na capital portuguesa e que irão te ajudar a entender um pouco de sua História e formação, além de te ajudar a se familiarizar com nomes de locais, relevo da cidade e hábitos lisboetas.

Se você conseguir ler a edição portuguesa do livro é ainda melhor para começar a se habituar com o estilo e vocabulário dos portugueses. Acredite, mesmo que sua língua materna seja o português, a língua portuguesa falada em Portugal tem algumas diferenças bem marcantes em relação ao português falado no Brasil por exemplo.

1.Quando Lisboa tremeu, Domingos Amaral

Quando Lisboa Tremeu, Domingos Amaral

Neste romance, Domingos Amaral, um jornalista e escritor português contemporâneo, retrata uma aventura na Lisboa do grande terremoto de 1755. O livro começa na manhã de 1 de novembro de 1755 e conta as histórias de cinco personagens principais, que terão seus caminhos cruzados ao longo da história. Pelas experiências dos personagens durante o terremoto, vamos entendendo o que se passou naquele fatídico dia e nos que se seguiram, bom como conhecemos o importante papel do Marques de Pombal na reconstrução da cidade.  Domingos Amaral consegue transformar o terror do terremoto numa leitura agradável e divertida e nos ajuda a entender um pouco um dos acontecimentos mais marcantes da história da cidade de Lisboa.

2. História do Cerco de Lisboa, José Saramago

Neste romance de José Saramago, o grande escritor português dono de um Nobel de Literatura, faz um paralelo entre a Lisboa da década de 80 com a Lisboa de 1147, do episódio da reconquista cristã quando estava sob o domínio dos mouros.

O livro intercala o presente vivido pelo revisor de livros Raimundo Silva, com o passado da história real do cerco de Lisboa, já que o personagem é incumbido de revisar o texto de um livro da história do cerco de Lisboa. Ao acompanhar Raimundo em suas andanças pela cidade passamos pelas ruas da região do Castelo onde o personagem vive, Baixa e outros pontos da cidade. Nas passagens que relatam o episódio do Cerco, somos transportados aos meses em que o Rei D. Afonso Henriques e suas  tropas cercaram a Lisboa moura para conquistá-la.

O livro foi publicado em diversas línguas (inglês, francês, espanhol, italiano, entre outras) . Para todas as línguas que o livro foi publicado consulte https://www.josesaramago.org/historia-cerco-de-lisboa-1989/

3. Os Maias, Eça de Queirós

Em “Os Maias”, o grande escritor da língua portuguesa, Eça de Queirós, utiliza o seu realismo descritivo para criticar a sociedade lisboeta do século XIX.

“Os Maias” retratam a saga da família Maia ao longo de três gerações. As descrições quase fotográficas de Eça de Queirós levam o leitor por ruas e pontos emblemáticos de Lisboa, tais como Largo de São Carlos, o Passeio Público (hoje Avenida da Liberdade), Cais do Sodré e  Chiado.

Embora eu ainda não tenha acabado de ler “Os Maias”, não poderia deixá-lo de fora desta lista.

https://www.goodreads.com/book/show/2268171.Os_Maias

4. Enquanto Salazar dormia, Domingos Amaral

Enquanto Salazar dormia, Domingos Amaral

Neste romance , Domingos Amaral nos leva a conhecer a Lisboa da II Guerra Mundial. Portugal, por ter sido um território neutro no conflito, recebeu muitos refugiados e acabou por se tornar em palco para muitas ações de espionagem, com muitos espiões dos países do Eixo como dos Aliados tendo escolhido Lisboa para suas conspirações.

O livro relata as memorias de seu personagem principal Jack Gil, um espião luso-britânico cuja missão era desmantelar as redes de espionagem nazis que atuavam por todo o país. Ao acompanhar as aventuras de Jack, tanto de espionagem quanto as amorosas, vamos passando por cenários como Alfama, Ericeira, Estoril e Cabo de São Vicente.

Espero que gostem das sugestões. Se tiverem alguma outra dica de leitura sobre Lisboa para incluir nessa lista, compartilhe nos comentarios!

Boa leitura!